Courchevel: A gastronomia savoyarde e duas dicas de restaurantes que não custam uma fortuna

Notice: Undefined variable: site in /var/www/wp-content/plugins/adrotate-pro/adrotate-output.php on line 305 Notice: Undefined variable: site in /var/www/wp-content/plugins/adrotate-pro/adrotate-output.php on line 398

Courchevel fica na Savoia (em francês, Savoie ), um departamento da região de Auvergne-Rhône-Alpes. Mas a Savoia de hoje era um pedaço do condado-depois-ducado-depois-reino  que pertencia à Casa di Savoia, uma das nobres famílias mais antigas da Europa (com mais de mil anos), e abrangia não só esta região no sudeste da França (chegava até Nice, hoje na Provence), mas também parte da Itália (o Piemonte) e o sudoeste da Suíça (Vittorio Emmanuele II, príncipe da Casa di Savoia e Rei da Sardenha, doou o território para a França em 1860, em gratidão à ajuda de Napoleão III na unificação da Itália, país do qual ele seria o primeiro rei). Por isso a gastronomia savoyarde, essa cozinha simples, rústica e bem calórica (cheia de queijos derretidos, perfeita para alimentar o corpo no inverno ainda mais  rigoroso do alto das montanhas; pense em fondue, em raclette, Ver Mais →

VEJA MAIS


shoichi.simonde@gmail.com


Maho não receberá mais o 747 da KLM

Notice: Undefined variable: site in /var/www/wp-content/plugins/adrotate-pro/adrotate-output.php on line 305 Notice: Undefined variable: site in /var/www/wp-content/plugins/adrotate-pro/adrotate-output.php on line 398

6889147942_87735bd319_oEra uma das experiências essenciais de todo viajante que ia para a ilha de Sinkt-Maarten-Saint-Martin {veja todas as nossas experiências favoritas da ilha, clicando aqui}, e foi bom enquanto durou. Não tinha nada mais emocionante (ainda mais para amantes da aviação) que assistir, da areia da praia de Maho, ao pouso do icônico Boeing 747 da Ver Mais →

VEJA MAIS


shoichi.simonde@gmail.com


Precisamos falar sobre tecidos #video

Notice: Undefined variable: site in /var/www/wp-content/plugins/adrotate-pro/adrotate-output.php on line 305 Notice: Undefined variable: site in /var/www/wp-content/plugins/adrotate-pro/adrotate-output.php on line 398

Você AMA um estilista, mas nunca pegou uma roupa da marca nas mãos. Será que tem algum problema aí quando a principal matéria-prima da moda é o TECIDO? Nesta excelente e agradável conversa, lá de Paris, da Isabel Junqueira com a Olivia Merchior, coordernadora de moda da Première Vision, a mais importante feira do mundo para a indústria da moda, você vai ficar sabendo a diferença fibras longas e fibras curtas (e por que são as fibras curtas que causam as famigeradas bolinhas), a polêmica do poliéster (usá-lo, sim ou não; e a resposta é inesperada), entre outras coisas. É só clicar, aprender e refletir. É cada vez mais importante conhecer as origens dos produtos que consumimos; é consciêcia, é repertório.

VEJA MAIS


shoichi.simonde@gmail.com


Seychelles: Como chegar, o preço dos hotéis e do 3G, o que levar; TUDO!

Notice: Undefined variable: site in /var/www/wp-content/plugins/adrotate-pro/adrotate-output.php on line 305 Notice: Undefined variable: site in /var/www/wp-content/plugins/adrotate-pro/adrotate-output.php on line 398

Por estar no meio do Oceano Índico, a viagem até as Seychelles, direto, com o tempo dos aeroportos, dura de 25 a 30 horas e custa entre US$ 2 mil e US$ 4 mil a passagem ida e volta, saindo de São Paulo, em classe econômica ou US$ 10 mil em classe executiva. Como é uma viagem longa e cara, o melhor a fazer é aproveitar as companhias aéreas que voam para lá (Emirates, via Dubai; Qatar, via Doha; Turkish, via Istanbul; South African, por Johannesburg) e planejar uma parada no meio do caminho para ficar alguns dias em Dubai ou Istanbul (as companhias aéreas não cobram nada a mais para fazer esse stop, como eles chamam), ou ainda, para quem tiver mais tempo, ir de Air France e fazer Paris – Nairobi (para um sáfari no Quênia) – Seychelles (três experiências completamente diferentes numa mesma viagem), voltando depois de Mahe direto para Paris e de Paris para São Paulo.

Quanto às companhias aéreas é só importante considerar os aviões que farão o voo para Mahé (o voo dura cinco horas se você vier de Dubai, Abu Dhabi ou Doha; oito Ver Mais →

VEJA MAIS


shoichi.simonde@gmail.com


Seychelles: Praias e florestas únicas, intactas há mais de 50 milhões de anos

Notice: Undefined variable: site in /var/www/wp-content/plugins/adrotate-pro/adrotate-output.php on line 305 Notice: Undefined variable: site in /var/www/wp-content/plugins/adrotate-pro/adrotate-output.php on line 398

Antes de viajar, você dá um zoom out  no Google Maps e olha aquelas microilhas perdidas no meio do Oceano Índico, que formam o menor país do continente africano. Busca no seu inconsciente as muitas fotos que já viu nas revistas e redes sociais e imagina: as Seychelles são minúsculas, só tem hotel de luxo, praias paradisíacas, e para onde você olhar será um cartão postal. Porque é isso o que acontece com grande parte dos destinos do mundo: todos os textos, todas as fotos são tão cuidadosamente tratados e editados (e nós também fazemos o mesmo quando postamos) que a gente sempre sente aquele estranhamento inicial na primeira hora depois que desce do avião. “Nossa, o aeroporto não é tão bonito”, “tem pobreza”, “como os ônibus são velhos”, “tem uma rodovia de quatro pistas nesta ilha onde eu achava que só tinha ruazinhas de areia!”  Mas é exatamente por isso que as Seychelles entram num lugar especial aqui na Simonde. (A única coisa que Ver Mais →

VEJA MAIS


shoichi.simonde@gmail.com


Fundação Eva Klabin: Um micro British Museum numa casinha quase invisível na Lagoa


Ver RioDeJaneiro_Simonde num mapa maior
Notice: Undefined variable: site in /var/www/wp-content/plugins/adrotate-pro/adrotate-output.php on line 305 Notice: Undefined variable: site in /var/www/wp-content/plugins/adrotate-pro/adrotate-output.php on line 398

Passeando pela Lagoa, a pé ou de carro, ninguém  pode imaginar que por trás das paredes de uma discreta casa em estilo normando existem 50 séculos de arte, com mais de 2 mil peças, incluindo obras de Botticelli, Ghiberti, Rembrandt, Gainsborough, Reynolds, Pissarro. Eva Klabin, junto com sua irmã Ema (descendentes de lituanos de ascendência judaica), é a nossa Frick-Morgan dos trópicos. Colecionadora das clássicas, juntou obras que vão do Egito antigo e do mundo greco-romano a Lasar Segall, passando por importantes exemplares da arte renascentista. É impressionante. (Sem falar que Eva já usava Goyard bem antes de a marca ter seu revival  no século 21: é numa caixa de chapéu para viagens da maison  que ficam os protetores para sapatos que devemos calçar para andar pela casa-museu ;-).

Destaque para a coleção de prataria judaica (única no Brasil) e inglesa, a moldura de lareira gótica da sala e a boiserie (também gótica) na sala de jantar trazida da França.

Milionária e esteta, Mme. Klabin dormia durante o dia e recebia muitos amigos e personalidades em sua casa – sempre depois da meia-noite: do amigo e paisagista Roberto Burle Marx, que planejou o charmoso jardim da casa, a ilustres como Juscelino Ver Mais →


Ver RioDeJaneiro_Simonde num mapa maior

VEJA MAIS


shoichi.simonde@gmail.com


Revoluções africanas em mostra de cinema em São Paulo

Notice: Undefined variable: site in /var/www/wp-content/plugins/adrotate-pro/adrotate-output.php on line 305 Notice: Undefined variable: site in /var/www/wp-content/plugins/adrotate-pro/adrotate-output.php on line 398

Mais do que estar in loco  viajando pelo mundo e conhecendo as paisagens, ainda não existe forma mais profunda de se viajar que através da literatura e do cinema, seja pela ficção ou pela realidade. É quando entramos nas casas e nas cabeças dos habitantes, quando conhecemos sua(s) história(s), sua intimidade, seu modo de pensar e sentir. E é por isso que eu estou apaixonado pelo festival de cinema — de recorte único — que estreia nesta sexta, dia 11 de novembro, no Cine Caixa Belas Artes. Com o nome África(s). Cinema e Revolução, os 36 filmes que fazem parte da programação, de diretores europeus e africanos, trazem um panorama sobre o cinema produzido em ex-colônias portuguesas (que não possuíam nem TV local), principalmente Angola, Moçambique e Guiné-Bissau, durante as revoluções, a independência da metrópole (só conseguida depois de outra revolução, a dos Cravos, que acabaria com a ditadura em Portugal), os processos pós-descolonização Ver Mais →

VEJA MAIS


shoichi.simonde@gmail.com


Hotéis-Palace: a distinção máxima da hotelaria francesa

Notice: Undefined variable: site in /var/www/wp-content/plugins/adrotate-pro/adrotate-output.php on line 305 Notice: Undefined variable: site in /var/www/wp-content/plugins/adrotate-pro/adrotate-output.php on line 398

Desde os anos 1960, a França usava um sistema de classificação de hotéis próprio, que ia de zero a “4 estrelas luxo”. Quando resolveu aderir à classificação internacional (de uma a cinco estrelas; era o único país do mundo que não a utilizava, o que confundia a cabeça dos viajantes), o país que inventou o luxo contemporâneo resolveu não só aderir às cinco estrelas mas também criar uma categoria acima dela. E, apesar do nome que evoca séculos de história e tradição, a distinção Palace, dada pela agência de desenvolvimento turístico do país aos hotéis de excelência à la française, tanto da França continental quanto de seus territórios ultramarinos, só foi criada em 2010 com a mudança do sistema de classificação hoteleira. Os primeiros oito hotéis só receberam a distinção em maio de 2011 e, desde então, o título se transformou numa importante ferramenta de comunicação para os hotéis que fazem parte deste seleto clube (além da placa que ostentam na porta). Todos os Ver Mais →

VEJA MAIS


shoichi.simonde@gmail.com


As viagens mais incríveis de volta ao mundo, por ar, por terra e por mar

Notice: Undefined variable: site in /var/www/wp-content/plugins/adrotate-pro/adrotate-output.php on line 305 Notice: Undefined variable: site in /var/www/wp-content/plugins/adrotate-pro/adrotate-output.php on line 398

Mr. Fogg, o distinto senhor inglês que dá a volta ao mundo em 80 dias no clássico de Jules Verne, venceu a aposta com seus colegas de clube concluindo a viagem em trem, elefante e navio a vapor. Mas se em 1873 a ideia de circum-navegar o mundo em tão pouco tempo era fantástica (as viagens nessa época duravam meses ou até anos, sem falar nos riscos que eram bem maiores), ainda hoje, apesar de todos os avanços dos meios de transporte, essa é uma experiência para poucos, já que exige tempo e dinheiro. Visitar destinos diferentes numa mesma viagem permite identificar os muitos contrastes entre as cidades, os países, os continentes. E é isso que companhias como Four Seasons, Silversea, Seabourn e Trains & Tours oferecem: viagens — reais — de volta ao mundo em que os trajetos podem ser feitos apenas de avião, apenas de navio, ou na combinação trem + avião.

DE AVIÃO

volta-ao-mundo-passagem-aviao-four-seasons-private-jet-navio-silversea-seabourn-trem-trains-tours-1200-1 volta-ao-mundo-passagem-aviao-four-seasons-private-jet-navio-silversea-seabourn-trem-trains-tours-1200-12 volta-ao-mundo-passagem-aviao-four-seasons-private-jet-navio-silversea-seabourn-trem-trains-tours-1200-2A rede canadense que possui 98 hotéis nos principais destinos do mundo (e cada Four Seasons é sempre uma das melhores e mais elegantes opções de hospedagem) possui um Boeing 757, todo primeira classe (poltronas em couro flat-bed, chef  e concierge  a bordo, Dom Pérignon à vontade), com o qual ela oferece três roteiros temáticos por ano de volta ao mundo, com duração de 18 a 23 dias (passando na maioria das vezes quatro dias Ver Mais →

VEJA MAIS


shoichi.simonde@gmail.com


Quem disse que o Japão é caro?

Notice: Undefined variable: site in /var/www/wp-content/plugins/adrotate-pro/adrotate-output.php on line 305 Notice: Undefined variable: site in /var/www/wp-content/plugins/adrotate-pro/adrotate-output.php on line 398

Existiu uma época — poucos anos atrás, na verdade — em que uma passagem aérea para o Japão, em classe econômica, não custava menos que US$ 3.000. A distância (quase 30 horas de viagem, considerando o tempo nos aeroportos e de conexão) e o preço só para se chegar lá desencorajavam muita gente. O fato de o Japão também ter a fama de ser um dos países mais caros do mundo — o que é verdade, mas apenas em alguns aspectos, e principalmente para quem mora lá — criou o medo de se viajar para a terra do Sol Nascente e voltar maravilhado, mas falido.

Mas com a chegada das companhias aéreas do deserto, muita coisa mudou. Nesta minha última viagem, em setembro de 2016, o bilhete ida e volta, Guarulhos GRU — Haneda HND, em classe econômica, saiu por US$ 900, já com todas as taxas, parcelados em nove vezes sem juros (!), numa das promoções da Emirates, com a possibilidade de fazer uma Ver Mais →

VEJA MAIS


shoichi.simonde@gmail.com


SIGA A SIMONDE

Interaktiv
Wordpress SEO Plugin by SEOPressor