Le Cinq: Um restaurante três estrelas onde cada prato celebra um ou, no máximo, dois ingredientes

31 avenue George V

entre a Quentin-Bauchart e a Pierre 1er de Serbie

8éme arrondissement

Métro Alma-Marceau

33 (0) 1 / 4952-7154

As reservas são necessárias e podem ser feitas no telefone acima ou no próprio site do restaurante, clicando aqui.

Preço aproximado por pessoa: R$ 1.350, considerando o menu-degustação de € 330 + taça de champagne € 30 + água € 10 = € 370.

Aceita todos os cartões de crédito.

Segunda a domingo:

Almoço, das 12h30 às 14h30h

Jantar, das 19h às 22h30

Dress code:

Blazer ou paletó obrigatórios, gravatas opcionais.

Não pode jeans, camisetas, bermudas e tênis.

60 lugares

Tem wi-fi

Chef Christian Le Squer

Desde 2014

Site, clique aqui

Uma das exigências para que um hotel na França receba a distinção palace  é a gastronomia de exceção {para entender o que é e quais são esses hotéis hors concours, clique aqui}. E, por isso, Paris é a cidade onde alguns dos melhores restaurantes — não só da cidade, mas do mundo — ficam dentro de hotéis. E se Alain Ducasse, que é responsável pelos restaurantes principais de dois desses hotéis — do Plaza Athénée e do Meurice — e os restaurantes dos novos palaces  chineses — Shangri-La, Mandarin, Peninsula — têm caminhado para ambientes mais contemporâneos, o salão do Cinq, restaurante principal do também palace  Four Seasons George V, totalmente renovados nos anos 2010 e que tem como chef  desde 2014, Christian Le Squer (que fez com que, em 2016, o Cinq conquistasse os três macarons  Michelin que ele já tinha no Ledoyen por doze anos), mantém a opulência do décor  palaciano histórico francês que tanto agrada a árabes e orientais em geral (o dono do hotel fundado em 1928 e há vinte anos administrado pela rede de luxo canadense Four Seasons é o príncipe saudita Al-Waleed bin Talal Al-Saud). E o investimento do hotel na restauração já mostra os resultados, já que em 2017, o George V se tornou o único hotel na Europa a ter três restaurantes reconhecidos com estrelas Michelin; o Cinq, com três, e o George e o Orangerie com uma. Observação: Enquanto isso, quem assumiu a cozinha do Ledoyen foi o também estrelado chef  Yannick Alléno, ex-três estrelas no Meurice, que conseguiu manter o status máximo conquistado pelo Squer no Ledoyen. Alléno ainda possui outras três estrelas no seu restaurante de temporada em Courchevel, o 1947, dentro do, também palace, Cheval Blanc.

O melhor, no entanto, é que os tapetes tão fofos que são um carinho para os pés cansados depois de um dia visitando os museus da cidade, os talheres de prata e grossos tecidos — impecavelmente passados — que cobrem a mesa, os arranjos florais que são verdadeiras instalações assinados por Jeff Leatham (não só no restaurante mas em todo o hotel) e o salão inspirado no Grand Trianon do Palácio de Versalhes (as cadeiras seguem todas o estilo Louis 16), não ofuscam a comida cheia de sabor, muito bem temperada (no limite do excesso, às vezes), quase sempre servida com molhos grossos e intensos (pense em um molho de vinho Château Chalon sobre aspargos na temporada, em uma maionese morna quase líquida sobre o lagostim; veja fotos abaixo), derramados sobre o prato na sua frente, na melhor tradição gastronômica francesa.

E se todas as dez etapas do menu-degustação (incluindo os amuse-bouches ) revolvem em torno de poucos ingredientes, vários deles levam apenas um “tema”, como o caso do genial Gratinée d’Oignons  (simplesmente uma ode à cebola em todos os formatos e preparos e sabores, uma versão “física” com direito aos croûtons  da soupe à l’oignon, a sopa de cebola gratinada, prato simples da cozinha francesa servida em todos os casamentos franceses para os cansados — e bêbados — convidados no fim da festa) e o ponto alto do jantar: as sobremesas.

Se em muitos restaurantes gastronômicos, a reta final da refeição não entrega o mesmo nível dos pratos salgados, no Cinq, a sequência de três sobremesas monotemáticas — e levíssimas — que encerra o menu-degustação tem um roteiro que beira à perfeição (é tão sofisticado e impecável que elas estão no cardápio há muito tempo e não há previsão de que elas sejam substituídas por outras receitas). O cremoso Givré Laitier  (leite “congelado” e escultural — parece um projeto arquitetônico do Frank Ghery — que leva leveduras, esses fungos que vão na cerveja e no pão), que começa abaixando a temperatura do jantar com pouco açúcar, é seguido pelo cítrico Croquant au Pamplemousse  (essa ácida e amarga fruta, grapefruit  ou toranja, nos formatos confit, gelado, e in natura ), quando chega a potência do Ecorce de Chocolat Noir  (um tubo de chocolate com alta concentração de cacau recheado com chocolate e caramelo com amendoim torrado, ingrediente que eu amo). Mas seja guerreiro, pois você ainda terá de ter espaço para as mignardises, para o ótimo e sequinho kouign-amman {saiba mais sobre essa versão caramelizada do croissant, clicando aqui} que acompanha o café (mas eu ainda prefiro o do Yann Couvreur que é mais massudo, amanteigado e molhado) e para os bonbons caramelisés  (as balinhas de caramelo), mas essas você pode levar para casa e até trazer na mala de mão na volta para comer no avião.

LEIA TAMBÉM:

—  O aeroporto Charles de Gaulle em Paris ganha lounge lindo para todos os passageiros e YotelAir

— Três restaurantes biô em Paris – aqui, sinônimo de saudável, orgânico e sexy – para frequentar

— As padarias parisienses e o não café da manhã

— O guia definitivo dos melhores doces de Paris


le-cinq-restaurant-paris-four-seasons-george-v-christian-le-squer-tres-estrelas-three-stars-michelin-1100-2Além dos pães e viennoiseries perfeitos que fazem você ter de se controlar para não comer demais, entre os amuse-bouches, destaque que essa refrescante Transparnece de Gingembre, Campari et Orange, que explode na boca, e a delicadíssima e fina torta de fígado de galinha com cornichon  e massa folhada no pratinho ao fundo. Imagem: Shoichi Iwashita
le-cinq-restaurant-paris-four-seasons-george-v-christian-le-squer-tres-estrelas-three-stars-michelin-1100-3Primeiro prato: aspargo verde trufado com essa mousseline de vinho Château-Chalon, o vinho mais célebre da região do Jura. Imagem: Shoichi Iwashita le-cinq-restaurant-paris-four-seasons-george-v-christian-le-squer-tres-estrelas-three-stars-michelin-1100-4O lagostim da Bretanha — pequeno porque faz parte do menu-degustação — com maionese quente e quase líquida e uma delicadíssima galette  de trigo sarraceno. O chef  resgatando suas origens bretãs. {Para saber a diferença entre crêpe  e galette, clique aqui} Imagem: Shoichi Iwashitale-cinq-restaurant-paris-four-seasons-george-v-christian-le-squer-tres-estrelas-three-stars-michelin-1100-5O genial Gratinée d’Oignons, com cebola em todas as formas: bolas de cebola que explodem na boca, cebola caramelizada, croûtons. Imagem: Shoichi Iwashitale-cinq-restaurant-paris-four-seasons-george-v-christian-le-squer-tres-estrelas-three-stars-michelin-1100-6Turbot, esse peixe chato de águas profundas, com agrião e pera no vinagre. Imagem: Shoichi Iwashitale-cinq-restaurant-paris-four-seasons-george-v-christian-le-squer-tres-estrelas-three-stars-michelin-1100-7Esse foi o único prato que eu não consegui comer: apesar de já ter comido timo no St. John em Londres (noix de ris de veau, em francês; e sweetbread, em inglês), essa glândula retirada das vaquinhas bebê, a ideia de comer essas iguarias me é cada vez mais incômoda. Mas os cogumelos e o molho estavam perfeitos. Vou passar da próxima vez. Imagem: Shoichi Iwashitale-cinq-restaurant-paris-four-seasons-george-v-christian-le-squer-tres-estrelas-three-stars-michelin-1100-8A primeira e escultural sobremesa perfeita para fazer a transição entre salgados e doces: o Givré Laitier  (“leite congelado”) ao gosto de leveduras. Imagem: Shoichi Iwashitale-cinq-restaurant-paris-four-seasons-george-v-christian-le-squer-tres-estrelas-three-stars-michelin-1100-9Ácido, amargo e gelado, esse o Croquant de Pamplemousse, com sorbet, toranja confit  e in natura. Imagem: Shoichi Iwashitale-cinq-restaurant-paris-four-seasons-george-v-christian-le-squer-tres-estrelas-three-stars-michelin-1100-10Para encerrar a viagem pela cozinha do Squer, o Ecorce de Chocolat Noir  com amendoim. Leve, intenso, delicioso. Imagem: Shoichi Iwashitale-cinq-restaurant-paris-four-seasons-george-v-christian-le-squer-tres-estrelas-three-stars-michelin-1100-11Para finalizar, café com mignardises  e kouign-amman. Imagem: Shoichi Iwashitale-cinq-restaurant-paris-four-seasons-george-v-christian-le-squer-tres-estrelas-three-stars-michelin-1100-12O kouign-amman de perto. Imagem: Shoichi Iwashitale-cinq-restaurant-paris-four-seasons-george-v-christian-le-squer-tres-estrelas-three-stars-michelin-1100-1Vista do salão com arranjos florais assinados por Jeff Leatham. Imagem: Divulgação

Arte-Banner-Instagram-Divulgacao-10

VEJA MAIS


shoichi.simonde@gmail.com