Le Meurice: Localização e gastronomia imbatíveis; mas e os quartos?

228 rue de Rivoli

entre a rue de Castiglione e a rue d'Alger

1er arrondissement

Metrô Tuileries

(Linha Amarela – 1)

33 (0) 1 / 4458-1010

As reservas podem ser feitas no telefone acima ou no site do Meurice, clicando aqui.

160 quartos e suítes

Hora do check-in: 15h

Hora do check-out: 12h

Wi-fi gratuito

Restaurantes do hotel: são dois, o Le Meurice Alain Ducasse, de alta gastronomia francesa com dois macarons Michelin, e o Dalí, um restaurante-brasserie, aberto o dia todo.

Bares do hotel: o incrível Bar 228

Serviço de quarto 24 horas

Academia bem pequena com poucos aparelhos

Sauna seca e hamman mistas

Spa

Crianças bem-vindas

Pets bem vindos

Aquecedores de toalhas

Banheira em todos os quartos

Preço aproximado para três dias e duas noites de hospedagem para duas pessoas: € 2340, com café da manhã

Aceita todos os cartões de crédito.

Desde 1835

Site, clique aqui

Instagram, clique aqui

Existe uma distância estilística  não muito esperada entre o térreo do Meurice — com seus maravilhosos restaurantes e bar, alguns dos mais belos e elegantes da capital parisiense — e os andares acima, onde estão os quartos.  A sensação é a de que você está em dois hotéis diferentes, apesar de ter sido reaberto no ano 2000 depois de dois anos fechado para reforma. Se os salões deste hotel mítico, inaugurado em 1835 (ou seja, há quase duzentos anos), foram repaginados de forma muito bem sucedida por Philippe Starck, entregando exatamente  o tipo de ambiente e experiência que a gente espera de um hôtel palace, é como se, de alguma forma, o restante do hotel, todo em estilo Louis XVI, já tivesse envelhecido e se tornado datado (apesar de eu amar demais os banheiros inteiros em mármore — veja as fotos abaixo —, como no Four Seasons de Milão, que, na minha opinião, são atemporais…) O problema também  está em pagar € 1100 por noite, que é praticamente o mesmo valor da diária dos seus ótimos vizinhos — o recém-reinaugurado Ritz ou o jovem palace  Mandarin Oriental — que possuem ótimas academia (a do Meurice é bem pequena e só tem pesos livres de até 10 kg), piscina (tudo bem que tanto a do Ritz quanto a do MO são indoor ), jardim e quartos renovados e adaptados às necessidades dos gadgets  dos viajantes contemporâneos; características essa que faltam ao Meurice  Sem falar que você ainda pode pegar um quarto com vista para o pátio interno (para garantir a vista ampla e incrível para o Jardin des Tuileries, a place de la Concorde, o Louvre, o teto do d’Orsay e a Tour Eiffel, só reservando suítes cujas diárias começam em € 4000 por noite).

A localização, no entanto, é imbatível (quem me acompanha por aqui sabe que, na minha opinião, o 1er arrondissement  é sempre o melhor bairro para se hospedar, já que, além da oferta incrível de lojas, programas culturais e jardins, você está a três estações de metrô do Marais — sem fazer baldeação! — e quatro de Saint-Germain-des-Près; as regiões do coração). E tem também dois endereços favoritos a alguns passos (com uma arcada que faz com que você consiga ir e vir mesmo em dias de chuva): o Angelina, bem ao lado mesmo, o salon de thé  com um dos melhores chocolates quentes de Paris e que serve um doce-assinatura, o Mont-Blanc, um doce de castanha que eu amo, e a livraria Galignani. {para conferir o nosso Guia definitivo dos melhores doces de Paris, clique aqui}

Mesmo não se hospedando no hotel, frequente — sem  parcimônia — seus ambientes, principalmente o restaurante principal comandado por Alain Ducasse (onde os incríveis café da manhã e brunch  são servidos; não perca já que é fabuloso começar o dia aqui; amo o chão todo de mosaico, os mármores, os lustres de cristais, as grandes janelas para a rua e as intervenções starckianas ) e o Bar 228, dois dos ambientes mais lindos elegantes da cidade. Tampouco deixe de visitar a brasserie  Dalí (uma homenagem ao pintor catalão que passava um mês por ano no Meurice e fazia ao staff  pedidos tão surrealistas quanto suas obras), com menu também assinado por Ducasse, para provar as várias opções de club sandwich  (de frango, de salmão defumado, vegetariano, mas eu sempre vou no de lagosta; em francês, homard bleu ) ou as deliciosíssimas pâtisseries  do chef  Cédric Grolet. E que a Dorchester Collection convide logo o Philippe Starck para repaginar todos os 160 quartos do hotel, repetindo a mesma fórmula de sucesso conquistada nos salões.

le-meurice-hotel-palace-paris-dorchester-collection-rue-de-rivoli-1200-1O edifício na rue de Rivoli que abriga o hotel Meurice desde 1835 visto do Jardin des Tuileries. Imagem: Divulgação le-meurice-hotel-palace-paris-dorchester-collection-rue-de-rivoli-1200-2Passando pela porta giratória debaixo da arcada, você encontrar o balcão da recepção à esquerda – com os toques do designer  francês Philippe Starck. Imagem: Divulgação le-meurice-hotel-palace-paris-dorchester-collection-rue-de-rivoli-1200-3O Bar 228, o belíssimo bar que nem a foto de um profissional consegue comunicar a atmosfera aconchegante. Eu moraria aqui. Imagem: Divulgação le-meurice-hotel-palace-paris-dorchester-collection-rue-de-rivoli-1200-4O restaurante-brasserie Le Dalí, que ocupa o coração do hotel, aberto o dia todo para comidinhas, bebidas e pâtisseries deliciosos. No teto, uma enorme lona pintada por Ara Starck, filha do designer Philippe Starck. Imagem: Divulgação le-meurice-hotel-palace-paris-dorchester-collection-rue-de-rivoli-1200-5No Dalí, você pode se sentar em sofás com mesas baixas ou mesas com cadeiras e sofás mais altos. O chão de mosaico tem o mesmo padrão do restaurante. Imagem: Divulgação le-meurice-hotel-palace-paris-dorchester-collection-rue-de-rivoli-1200-7A entrada do restaurante Le Meurice Alain Ducasse, dois macarons Michelin, já logo depois da porta giratória que serve de entrada para o hotel. Imagem: Shoichi Iwashita le-meurice-hotel-palace-paris-dorchester-collection-rue-de-rivoli-1200-8O belíssimo e centenário salão com afrescos no teto, enormes lustres de cristal, muito mármore, espelhos e móveis contemporâneos, com as cadeiras Tullip do Saarinen e uma escultura de cristal de Aristide Najean. Imagem: Divulgação le-meurice-hotel-palace-paris-dorchester-collection-rue-de-rivoli-1200-9Mais um pouco do teto. Imagem: Shoichi Iwashita le-meurice-hotel-palace-paris-dorchester-collection-rue-de-rivoli-1200-10Café da manhã impecável nos pães, nos ovos mexidos, na apresentação neste que é um dos mais belos e bem localizados salões de Paris. Lugar perfeito para começar o dia, sendo hóspede ou não. Imagem: Shoichi Iwashita le-meurice-hotel-palace-paris-dorchester-collection-rue-de-rivoli-1200-11Mesa bem montada com ovos mexidos com cogumelos e tomate assado, pães, manteiga, geleias, cereal, frutas frescas e jornais para começar o dia. Imagem: Shoichi Iwashita le-meurice-hotel-palace-paris-dorchester-collection-rue-de-rivoli-1200-13E vamos tomar o elevador para chegar ao quarto. Imagem: Shoichi Iwashita le-meurice-hotel-palace-paris-dorchester-collection-rue-de-rivoli-1200-12O quarto espaçoso mas com decoração que já parece datada. Imagem: Shoichi Iwashita le-meurice-hotel-palace-paris-dorchester-collection-rue-de-rivoli-1200-14A sala da suíte 301. Imagem: Shoichi Iwashita le-meurice-hotel-palace-paris-dorchester-collection-rue-de-rivoli-1200-15A cama, deliciosa (não tenho o que falar do colchão, dos travesseiros e dos lençóis), e com iluminação perfeita para a leitura, depois do turndown service, pronta para dormir. Imagem: Shoichi Iwashita le-meurice-hotel-palace-paris-dorchester-collection-rue-de-rivoli-1200-16Os banheiros têm cara de antigos, mas eu amo essa profusão de mármores partout. Adoro as luminárias ao lado dos espelhos também. Tanto a ducha quanto o vaso sanitário ficam em compartimentos fechados. Imagem: Shoichi Iwashita le-meurice-hotel-palace-paris-dorchester-collection-rue-de-rivoli-1200-17Pias separadas, mesinha de apoio no centro de amenities Penhaligon’s. Imagem: Shoichi Iwashita

Arte-Banner-Instagram-Divulgacao-10

VEJA MAIS


shoichi.simonde@gmail.com