#SomosTodosRacistas

Andy Warhol with Banana from Velvet Underground, 1982, autorretrato.

Posta foto comendo banana com a hashtag #SomosTodosMacacos (não vou NEM comentar a #VergonhaAlheia do oportunismo do tal apresentador da Globo), mas acha que a empregada é uma folgada e não entende como empregadas podem ficar doentes no dia em que ela organizou um jantar (tampouco entende por que um pobre pode querer uma TV de LED em casa e querer se divertir: QUANTA ousadia). Se o filho aparece namorando uma negra, então… = #SuicídioSocial). Fala mal do Brasil, que quer ir embora deste país de m***a, mas, ah, detesta política. É tudo culpa do PT, do Lula, do mensalão, da Dilma, da Copa — mas sonega imposto de renda, falsifica carteira de estudante pra pagar meia e só pensa em aproveitar a vida —, como se a pobreza e a desigualdade social existissem no Brasil há apenas 12 anos (just for the record, esses DOIS ÍNDICES pelo menos melhoraram BASTANTE nos últimos anos). Vou morar em Paris, em Nova York, Londres, Copenhague (claro, por que eu iria querer viver em Quito, Vienciana ou Luanda? que o Brasil se exploda! vou para um país que me merece! *vulgo países que já passaram por esses processos, dificuldades, revoluções, quando seus CIDADÃOS NÃO FUGIRAM para um país “melhor”*), mas nunca saiu do circuito turístico e não conhece a realidade dos banlieues  e dos outskirts nem se lembra que há apenas vinte anos Nova York era tão perigosa quanto São Paulo (ninguém tinha coragem de andar à noite na rua, nem na Times Square); e que TODOS os países do mundo têm seus problemas. Comuns para quem lá nasceu; difíceis para a nossa adaptação. Vou adorar ver você, como uma IMIGRANTE DO TERCEIRO MUNDO, vivendo em um país de primeiro (você sabia que pra mim, culturalmente brasileiro, é MUITO DIFÍCIL ser tão disciplinado e produtivo e organizado e inteligente quanto um alemão ou japonês?), longe da família e dos amigos, precisando do Medicare quando ficar doente ou deixando milhares de dólares no hospital quando fraturar um simples braço. Dá vontade de reclamar da mediocridade dos brasileiros — famosos e anônimos — nas redes sociais, mas como mediocridade existe em qualquer tempo e em qualquer lugar do mundo, só resta esperar que as pessoas passem a aproveitar melhor seu tempo refletindo um pouco mais sobre si mesmas e, quem sabe, um pouco mais sobre história, política e economia; sobre o mundo e as pessoas.  Pelo menos, a imagem que temos delas não sairia tão arranhada.

VEJA MAIS


shoichi.simonde@gmail.com