Taiti e suas ilhas: Por que o cruzeiro Paul Gauguin oferece a mais completa experiência da Polinésia Francesa #publi

O navio da Paul Gauguin em frente ao Monte Pahia em Bora Bora, uma das ilhas do arquipélago da Sociedade, na Polinésia Francesa. Imagem: Divulgação

Se você tiver oito dias de viagem em solos taitianos (é preciso considerar que se passa um dia no avião para chegar lá e outro dia para voltar), fazer um cruzeiro pelo Taiti e suas ilhas é o jeito mais confortável, seguro (tem médico e enfermeiros sempre a bordo; sempre fico um pouco apreensivo quando estou nessas ilhas muito isoladas) e mágico de explorar suas águas turquesa, essas que são, junto com a cultura polinésia, os grandes motivos da viagem. Estando em uma embarcação, tudo o que você precisa fazer é acordar pela manhã e abrir as cortinas da cabine para ser surpreendido, a cada dia, por uma nova e diferente paisagem (ainda mais em um navio pequeno especialmente desenhado para as águas rasas do arquipélago, com capacidade de explorar cantos escondidos e impossíveis de serem acessados se você estiver parado em um hotel ou em navios maiores).

Embarcando sempre em Pape’ete, a capital da ilha do Taiti por onde chegam os voos internacionais, uma das opções de cruzeiro de sete noites da Paul Gauguin passa por Huahine, a Ilha Jardim, Taha’a, a Ilha da Baunilha, fica dois dias  em Bora Bora, a Joia dos Mares do Sul, e ainda dois em Mo’orea, a Ilha Mágica, sem precisar fazer check-in  e check-out  de hotel, sem precisar pegar voos, transfers  e enfrentar aeroportos (achei o deslocamento entre ilhas na Polinésia Francesa é um pouco trabalhoso e, às vezes, perde-se tempo de viagem tendo de dormir nos hotéis de rede de Pape’ete apenas porque os horários dos voos não batem ou porque o voo foi cancelado por conta do mal tempo). Ou seja, você vai conseguir conhecer mais ilhas e aproveitar melhor o tempo (fazendo os trajetos entre ilhas de avião, eu não recomendo fazer mais do que três ilhas em uma viagem, pois é cansativo…). No itinerário mais longo, de 10 noites, o cruzeiro vai também para o arquipélago dos Tuamotus, onde está Rangiroa (o atol — um dos maiores do mundo — onde eu fiz o snorkelling  mais incrível da minha vida), além das ilhas da Sociedade (as do itinerário de sete noites citadas acima). Com 14 noites disponíveis, o navio ainda te leva para as distantes ilhas Marquesas (de avião, de Pape’ete, são quatro horas de viagem), onde está a Polinésia em seu estado mais rústico.

NAVIO M/S PAUL GAUGUIN: MARINA RETRÁTIL, PRAIA DESERTA EXCLUSIVA E A HOSPITALIDADE POLINÉSIA

paul-gauguin-cruises-tahiti-taiti-polinesia-francesa-cruzeiros-de-luxo-1200-3 paul-gauguin-cruises-tahiti-taiti-polinesia-francesa-cruzeiros-de-luxo-1200-2 paul-gauguin-cruises-tahiti-taiti-polinesia-francesa-cruzeiros-de-luxo-1200-4O Taiti nos atrai por conta de suas águas, praias, paisagens, bangalôs sobre a água e o exotismo de sua cultura, de suas danças… Mas a gente volta mesmo é apaixonado pela cultura, pela hospitalidade genuína e pelo sorriso constante do povo polinésio (eles estão sempre alegres, é impressionante). E imaginar um navio com apenas 166 cabines e 217 tripulantes, na maioria, polinésios (ou seja, uma proporção de 1,5 tripulantes por passageiro, isso se o navio estiver lotado), já é um indício de viagem perfeita. Mas o m/s (“motor ship”) Paul Gauguin também conta com uma marina retrátil, que permite que você saia do navio com o seu stand-up paddle, caiaque ou equipamento para windsurf  (atividades gratuitas); três restaurantes, do gastronômico La Veranda, assinado pelo chef  francês Jean-Pierre Vigato, ao informal Le Grill; academia e spa da Algotherm; palestras com biólogos e ambientalistas (e, acredite, mesmo que você não seja muito interessado, não tem como não se surpreender com a exuberância da natureza, sempre tão acessível, e querer saber mais sobre ela); e um programa variado de excursões, desde aquelas para quem quer apenas relaxar na praia até para mergulhadores experientes, passando pela opção de dormir uma noite em um bangalô sobre a água (só nas excursões você vai ver o que o Taiti tem de mais especial; clique aqui pois eu falo mais sobre isso nesta matéria). A companhia ainda possui uma praia deserta em Bora Bora exclusiva para os passageiros Paul Gauguin (mas não se preocupe, porque ela tem o mais importante: serviço de bar). Na primeira foto, a professora — e gauguine, como elas são chamadas a bordo, segunda da esquerda para a direita — que me deu aula de dança polinésia no The Brando; simpatia pura, ela passa temporadas no hotel e no navio. Imagens: Divulgação. 

QUAL CABINE ESCOLHER E QUANTO CUSTA?

paul-gauguin-cruises-tahiti-taiti-polinesia-francesa-cruzeiros-de-luxo-1200-5paul-gauguin-cruises-tahiti-taiti-polinesia-francesa-cruzeiros-de-luxo-1200-1Todas as cabines possuem janelas com vista (não há cabines internas), e 70% delas contam com varanda (e, apesar de o navio ser de 1998, ele passou por reformas milionárias em 2002 e outra em 2009). A menor cabine com varanda, a Balcony Statesroom  (foto acima) tem 22 metros quadrados e para o cruzeiro de sete noites na cabine D Balcony Statesroom, que fica no sexto deck — de nove —, calcule US$ 7.300 por pessoa já com a passagem Los Angeles – Pape’ete e as taxas portuárias incluídas. E tirando as excursões (reserve mais US$ 2.000 por pessoa para fazer tudo o que tem de mais especial) e os tratamentos no spa, todo o resto está incluso no valor do cruzeiro: serviço de quarto 24 horas; todas as refeições e bebidas (uma seleção de vinhos, destilados, além de água, café, chá e refrigerante, ou nos restaurantes ou no quarto); e as gorjetas. Na primeira foto, o m/s Paul Gauguin em Rangiroa. Os golfinhos adoram nadar nas ondas provocadas pelas embarcações e não raro você será acompanhado por eles! Imagem: Divulgação.

ALÉM DA PRAIA PARTICULAR, TODA A ESTRUTURA PACIFIC BEACHCOMBER

paul-gauguin-cruises-tahiti-taiti-polinesia-francesa-cruzeiros-de-luxo-1200-6 paul-gauguin-cruises-tahiti-taiti-polinesia-francesa-cruzeiros-de-luxo-1200-7O fato de a Paul Gauguin pertencer à Pacific Beachcomber, a empresa que também é dona do The Brando, um dos melhores e mais impressionantes hotéis do mundo em Tetia’roa, de mais três hotéis em Bora Bora (o Moana, o Maitai e o Intercontinental) e ainda do Intercontinental Tahiti, Intercontinental Mo’orea, Maitai de Huahine e Maitai de Rangiroa, faz com que você tenha acesso a não só à estrutura desses hotéis durante a viagem (como as praias, as piscinas, os resturantes e os spas), mas também aos shows  de dança polinésia nas melhores mesas. Pacote completo para viver o melhor do Taiti e suas ilhas.

RESERVE SEU CRUZEIRO:

Para saber mais sobre os cruzeiros Paul Gauguin na Polinésia Francesa, consulte um consultor da Qualitours através do site, clicando aqui, ou ainda pelo telefone 11 2175-7703 se estiver na cidade de São Paulo ou 4003-3892 a partir de qualquer cidade do Brasil.

LEIA TAMBÉM:

— Taiti e suas ilhas: Quando ir, o melhor jeito de chegar (e de viajar entre ilhas), os hotéis e quanto custa viajar para um dos destinos mais fascinantes do mundo

 Cruzeiros fluviais: Quando o foco não é só o navio, mas também os destinos #publi

— Galápagos: Como conhecer as ilhas que inspiraram uma das ideias mais revolucionárias da história

Arte-Banner-Instagram-Divulgacao-10

VEJA MAIS


shoichi.simonde@gmail.com