José Ignacio: Um vilarejo minúsculo à beira-mar com hotéis de luxo que você não encontra nem em Montevideo

Esqueça os coqueiros e suas águas de coco geladinhas das praias tropicais e os pinheiros parasol  e os rosés  do Mediterrâneo. Tomar clericot  ou chá mate — amargo, quente e com um canudo de prata — junto al mar  ou nas ramblas; encontrar fogareiros nas areias dos hotéis de praia que não possuem nem muros ou qualquer cerca de proteção; estar integrado à cultura gaucha  e às paisagens dos pampas (esse bioma único do sul da América Latina); e aproveitar um curto mas animadíssimo verão (sem falar nos vinhos e nas empanadas) fazem da costa atlântica do Uruguai um destino balneário nada usual — e também o mais austral —, mas difícil de resistir.

Diferentemente da herança espanhola-festeira-até-altas-horas  e das aspirações miamísticas  de Punta del Este, José Ignacio é um vilarejo bucólico e bourgeois-bohème  a 40 km da punta — a del Este, que serve como marco divisório entre o Río de la Plata e o Oceano Atlântico —, tem apenas 290 habitantes e quase nada de história (ah, e a festa aqui tem Ver Mais →

VEJA MAIS


shoichi.simonde@gmail.com


Estancia Vik, José Ignacio: Um hotel-galeria em meio às paisagens bucólicas dos pampas (perfeito para desconectar), mas pertinho da praia

O Estancia Vik é um hotel solar (e, por isso, é uma pena que ele feche durante o inverno, mesmo com o rigor do frio na região; deve ser incrível se desconectar do mundo aqui no frio). É onde você vai poder experimentar a versão ultrachic  do estilo de vida dos pampas  (pense em tomar mate, andar a cavalo — caballos criollos —, observar pássaros), rodeado do melhor da arte uruguaia aplicada. E, apesar de estar a apenas dez minutos de carro da praia e dos paradores  de José Ignacio (com a possibilidade de utilizar as piscinas cinematográficas e os restaurantes tanto do Playa quanto do Bahia Vik, o que torna a estadia aqui ainda mais sedutora), tão vastas são as paisagens e o horizonte (sem nenhuma construção ou vestígio humano à vista, no máximo, bois e cavalos soltos, livres, pastando…) que a sensação é a de que a casa desta estancia  de 1350 hectares é o centro do mundo; de que se está isolado, no meio do nada. (Mas tenha carro para ir e vir, e aproveitar tudo Ver Mais →

VEJA MAIS


shoichi.simonde@gmail.com


SIGA A SIMONDE

Interaktiv