Lohengrin: A ópera de Wagner que nos deu a mais linda das marchas nupciais

E foi a ópera que trata do sentimento de insegurança nos relacionamentos amorosos — deve o amor pelo outro ser incondicional e a confiança, inabalável? — que nos deu uma das mais populares (e a mais linda e melódica) marchas nupciais, a Treulich Geführt, tocada em casamentos no Ocidente há mais de 150 anos (a outra, mais imponente, é a que Mendelssohn compôs para a peça Sonhos de Uma Noite de Verão;  e você conhece as duas). Apesar de o nome do protagonista, Lohengrin, ser também o nome da ópera (e aparecer nos letreiros de tradução do teatro durante o espetáculo), é preciso ter em mente que todos os personagens ali no palco só vão conhecer o nome do cavaleiro do cisne no terceiro ato, após mais de três horas e meia do início desta história que trata de justiça, confiança em Deus (e nos outros) e obrigação com o Santo Graal.

Nesta história musicada que deixará você completamente envolvido apesar da longa duração (com os intervalos são 4h30 de ópera, mas vá sem medo), Elsa, filha do Duque de Brabante, é acusada pelo Conde Friedrich von Telramund, de ter assassinado seu irmão Ver Mais →

VEJA MAIS


shoichi.simonde@gmail.com