Torre Eiffel estreia chão de vidro

Para comemorar os 125 anos de aniversário, la Dame de Fer, o apelido da Torre Eiffel (a pronúncia correta é “effél”, sem pronunciar o “i”), reinaugurou o seu primeiro andar depois de uma reforma de dois anos em seus 5400 metros quadrados. A 57 metros de altura,  além do restaurante 58 Tour Eiffel, que ganhou ares contemporâneos, o andar agora conta com um salão de eventos com 7 metros de pé-direito e novo espaço museográfico. O destaque, no entanto, fica por conta das balaustradas e chão de vidros no vão interno (a parte mais larga do chão de vidro tem 1,85 metro), que têm agradado bastante os turistas na hora de tirarem sua selfies. Saiba TUDO TUDIN sobre a Torre Eiffel, clicando aqui.

chao-de-vidro-torre-eiffel-primeiro-andar-620
A balaustrada e o piso de vidro, nova atração do primeiro andar da Torre Eiffel, em Paris. Imagens: E. Livinec – SETE

VEJA MAIS


shoichi.simonde@gmail.com


Torre Eiffel

Quanto mais você se aproxima, talvez assim como seria com a Margaret Thatcher, mais a primeira Dame de Fer (a “dama de ferro”) assombra. Numa cidade que conseguiu manter certa homogeneidade estilística ao longo de séculos de diferentes estilos arquitetônicos, a Torre Eiffel é brutal, monstruosa demais para ser bonita. O escritor Guy de Maupassant, que almoçava quase todos os dias no restaurante do primeiro andar da torre, quando perguntado por um jornalista “por quê?”, respondeu: “É o único lugar de Paris onde não a vejo”. Muitos foram os artistas que aderiram ao complô: Paul Verlaine, Émile Zola, Charles Garnier, Charles Gounod, Alexandre Dumas filho, que, em nome da beleza, não podiam aceitar que a cidade de Paris pudesse ceder “à imaginação mercantil de um construtor de máquinas” permitindo que ele profanasse a arquitetura da cidade com uma “torre vertiginosamente ridícula, dominando Paris, como uma chaminé de fábrica”. Hoje, a Ver Mais →

VEJA MAIS


shoichi.simonde@gmail.com


Le Jules Verne


Ver Paris num mapa maior

Se algum dia Alain Ducasse sonhou em pairar beeem acima da concorrência, ou melhor: se sendo o chef  mais estrelado do mundo ele quis ficar mais próximo das estrelas, ele conseguiu. Literalmente. A 115 metros de altura e ocupando parte do segundo andar do maior cartão postal da cidade, a Torre Eiffel (com elevador pequeno e exclusivo, não se preocupe com as massas), o Jules Verne é uma ótima opção para se comer bem, visitar a torre com elegância e ainda ter Paris a seus pés.

Com a vista majestosa (depois da refeição caminhe pelo restaurante para ver a cidade por diferentes ângulos) e o cenário à la Star Trek  (com staff habillé  em Lanvin e direito a porta automática para se chegar aos toilettes ), a sensação é a de que estamos sobrevoando a cidade no restaurante de um Zeppelin do século 21. Ver Mais →


Ver Paris num mapa maior

VEJA MAIS


shoichi.simonde@gmail.com


SIGA A SIMONDE

Interaktiv