A sofisticação dos materiais e a elegância dos acabamentos — amo essas costuras — são amor à primeira vista a bordo da classe executiva do A350 da Turkish Airlines. Imagem: Shoichi Iwashita

“Senhoras, senhores e crianças… saibam que estamos sorrindo por trás das máscaras”. Esse trecho do speech dos comissários durante os voos que fiz na classe executiva da Turkish Airlines em outubro de 2021 a bordo de um de seus A350-900 – a mais moderna aeronave da frota de mais de 330 aviões da companhia aérea nacional da Turquia –, foi dos mais lindos que ouvi nesses tempos de sensibilidade pandêmica.

Apesar de voar para mais de 300 destinos em 125 países, São Paulo foi a quinta cidade do mundo a receber a nova aeronave; e todos os sete voos semanais entre Guarulhos e Istambul estão sendo feitos com o avião. De São Paulo [GRU] para Istambul [IST] são dois voos por dia na segunda, na quarta e no sábado, e um voo às sextas. Já na volta, os voos são diários de Istambul para Guarulhos e o avião prossegue para o aeroporto internacional de Buenos Aires [EZE]. Ou seja, você também pode viajar para a Argentina, e de lá para São Paulo, voando com essa excelente companhia aérea.

Diferentemente de outras companhias que oferecem geralmente três classes nos aviões (incluindo geralmente uma econômica premium), o A350-900 da Turkish tem apenas duas classes: executiva e econômica. Na executiva, são 32 poltronas divididas em 8 fileiras e configuração 1- 2 – 1 – ou seja, todos os passageiros têm acesso ao corredor sem a necessidade de pular ninguém para ir ao banheiro –; e na classe econômica, 297 poltronas na configuração 3 – 3 – 3. O tempo de voo entre São Paulo e Istambul é de aproximadamente 12h30. 

 
Quer contar com a expertise Simonde para planejar a sua viagem? Nós temos uma parceria com a maior agência de turismo de luxo do país. Enquanto ela cuida da operação oferecendo suporte total e 24 horas, nós assumimos o planejamento e a curadoria de experiências da sua viagem, usando todo o nosso repertório para que você colecione lindas memórias. Para isso, basta me mandar uma mensagem direct pelo Instagram no @iwashitashoichi, clicando aqui.

QUANTO CUSTA VOAR NA CLASSE EXECUTIVA DA TURKISH AIRLINES ENTRE SÃO PAULO E ISTAMBUL?

Para um bilhete ida e volta na executiva na classe J, que é menos flexível quanto a mudanças na passagem, ou seja, com mais restrições, calcule a partir de R$ 15.000. Para a classe Z, mais flexível, calcule a partir de R$ 25.000.

A EXPERIÊNCIA DE VOO NA CLASSE EXECUTIVA DA TURKISH AIRLINES NO A350-900

O A350-900 é hoje a mais moderna aeronave da frota da Turkish Airlines. Na foto, o avião estacionado no aeroporto de Guarulhos, que partiria às 22h25 e chegaria à Istambul às 17h15 do dia seguinte, depois de 12h30 de voo. Imagem: Shoichi Iwashita
O formato das poltronas muda entre as fileiras pares e ímpares. Nas fileiras pares (a que está à frente na foto), você fica mais próximo da janela do avião (leia como escolher o seu assento mais abaixno na matéria). De resto, amo a sobriedade das cores, a qualidade dos tecidos e acabamentos. Imagem: Shoichi Iwashita
A “central de controle” do assento, com entrada para o fone de ouvido, os botões que controlam a iluminação, as posições da poltrona — com o apertar de um botão, ela já vira uma cama –, o não perturbe e a chamada de comissários. O joystick retrátil também serve como controle do IFE ou minitela independente. Imagem: Shoichi Iwashita
As necéssaires levam a assinature Versace Parfums — em diferentes cores para homens e mulheres — e todos os acessórios no interior (máscara para olhos, meias, porta protetores auriculares) são exatamente do mesmo tom da bolsa. Imagem: Shoichi Iwashita
Antes mesmo de tirar o pedido das bebidas para o jantar, os comissários passam colocando a cobertura acolchoada sobre a poltrona e entregando o travesseiro e cobertor. Imagem: Shoichi Iwashita
No jantar, os destaques foram o hommus e a muhammara. Por conta da pandemia, o serviço foi express: na bandeja, já vieram a entrada e a sobremesa e, depois, eles só trocam o prato da entrada pelo prato principal. O serviço da Turkish era bem diferente antes da pandemia. Imagem: Shoichi Iwashita
A caminha já arrumada por mim. Imagem: Shoichi Iwashita
Depois de oito horas de sono, hora do café da manhã, com frutas, iogurte, queijo e pães quentinhos. Imagem: Shoichi Iwashita
São três luzes adicionais para leitura para diferentes posições da poltrona. Imagem: Shoichi Iwashita
Das duas coisas que mais gostei no assento: o porta-objetos que pode ser trancado por senha — e abriga uma tomada universal, ou seja, dá para deixar um gadget de valor carregando enquando você dorme — e esse espelhinho retrátil. Imagem: Shoichi Iwashita

No aeroporto internacional de São Paulo [GRU], os passageiros de classe executiva da Turkish Airlines usam atualmente a sala VIP do Banco Safra, já que a companhia não tem lounge próprio no Brasil. A sala, que até abril de 2021 era a da Star Alliance (aliança da qual a Turkish faz parte), é ampla e é a que tem a vista mais bonita entre todas as opções do aeroporto, já que, situada no mezanino, ela dá para a GRU Avenue, a passarela de lojas da área restrita para passageiros de voos internacionais. Mas, assim como em todas as salas VIP do Brasil, serve aquela comida sofrível de sempre. Por isso, em Guarulhos, sempre como no restaurante Ráscal antes de embarcar. Até porque comida de avião – mesmo em classe executiva – nem sempre é melhor que essas servidas nos lounges, já que geralmente é a mesma empresa que prepara as refeições. 

E essa foi a primeira boa surpresa a bordo. Porque se os pratos e as sobremesas estavam ok e o tradicional “café turco” – no qual o pó do café é cozido com a água sem qualquer filtração posterior – era daqueles instantâneos (por isso, prefira um chá ou uma infusão de saquinho mesmo, que são mais honestos), o mezzé estava divino. Nunca comi hommus tão saboroso e bem temperado (e olha que, como fã, já provei inúmeros e tenho as minhas receitas preferidas) assim como a muhammara, a pasta de pimentão com nozes. Raspei os pratinhos; e se não tivesse jantado antes teria pedido para repor. 

Como voei quando ainda estávamos em um período delicado da pandemia, o serviço foi express: a bandeja já veio com a entrada, o mezzé e a sobremesa e, na hora do prato principal, eles só trocaram o prato da entrada pelo prato seguinte. Explico isso porque a Turkish sempre foi famosa por ter um chef a bordo e um serviço à la française com carrinhos de entrada e sobremesa passando pelos corredores e apresentando todas as opções. No quesito bebidas, a comissária passou tirando os pedidos depois de 15 minutos de voo e eu quis provar as sugestões de vinhos com uvas nativas turcas – e eu amei conhecer o frutado da uva branca narince (fala-se “narindge”) e os taninos da tinta bogazkere. A Turkish ainda oferece a opção de você escolher seu prato principal pelo site ou pelo aplicativo antes de viajar. 

O mesmo com o serviço de turndown, de abertura de cama, também expresso: antes de tirar o pedido das bebidas para o jantar, os comissários passaram colocando o acolchoado sobre a poltrona e deixando o travesseiro e o cobertor. Fones de ouvido com sistema de redução de ruído (noise-cancelling) são distribuídos a todos os passageiros durante o embarque e recolhidos 30 minutos antes da aterrissagem, quando são trocados por fones comuns. 

A poltrona é o que existe de melhor hoje em termos de classe executiva. Tela grande, de alta resolução e touch screen de 18 polegadas; posições pré-programadas de assento que fazem com que a poltrona recline para a posição cama com apenas o apertar de um botão; painel que separa as duas poltronas do meio para garantir mais privacidade; luzes para leitura em ângulos diversos para você ler confortavelmente sentado, reclinado ou deitado… Mas o que eu mais amei foram o porta-objetos que pode ser trancado com senha e o miniespelho retrátil, escondidinho ao lado do porta-objetos, que só descobri no final do voo.  

OS MELHORES ASSENTOS DO A350-900 DA TURKISH DEPENDEM DE COMO – E COM QUEM – VOCÊ ESTÁ VIAJANDO

Como as posições das poltronas são diferentes entre as fileiras pares e ímpares da classe executiva do A350-900 da Turkish, seguem algumas dicas: 

1. Se você estiver viajando sozinho e é daqueles que gostam de ficar com a cara na janela durante a decolagem e o pouso (eu), escolha as poltronas A e K das fileiras pares, sabendo que o apoio para os pés afunila;

2. Se você estiver viajando a dois e quiser conversar, vá pelos assentos do meio – E e F – das fileiras ímpares, já que as poltronas do meio das fileiras pares ficam mais distantes, ou seja, perfeitas para aqueles que viajantes solitários que não gostam de conversar com estranhos (tudo bem que mesmo as poltronas juntas são equipadas com um painel separador retrátil que garante a privacidade e o sossego); e

3. É sempre bom escolher os quatro assentos da primeira fileira do avião, porque são as únicas poltronas cujo apoio para os pés não afunila, o que garante muito mais conforto durante a viagem, principalmente quando você dormir. Eu tenho 1,73 e já acho as poltronas de executiva um pouco apertadas; fico imaginando como é para as pessoas com 1,85, 1,90 encaixar as pernas nessas suportes afunilados… 

LOUNGE DA TURKISH NO AEROPORTO INTERNACIONAL DE ISTANBUL

A belíssima arquitetura do aeroporto internacional de Istambul, assinada pelo escritório londrino Grimshaw, abriga lojas de muitas marcas de luxo. Imagem: Shoichi Iwashita
Para acessar o lounge da Turkish Airlines situado no mezanino, é preciso pegar as escadas rolantes. Imagem: Shoichi Iwashita
Na entrada da sala, uma grande área com lockers para você não precisar ficar carregando tudo o tempo que estiver na sala. Os armários transparentes ainda ajudam a identificar suas coisas, sem precisar ficar decorando o número do locker. Genial. Imagem: Shoichi Iwashita
Mesas amplas, computadores à disposição e poltronas individuais com vista para a o aeroprto: muito espaço para trabalhar. Imagem: Shoichi Iwashita
Para os turcos, tomar chá é como tomar água. E essas grandes recipientes de cobre ficam em algumas das salas do lounge, com o chá Rize, o chá preto da região de Rize, que é tomado nesses copinhos longos, chamados de çayci. Imagem: Shoichi Iwashita
Muitas mesas para comer. Questiono um pouco essas colunas com pintura fingindo pedras fake… Imagem: Shoichi Iwashita
Buffet de sobremesas do lounge de Turkish Airlines no aeroporto de Istambul. Imagem: Shoichi Iwashita
São várias estações em que os chefs preparam os pratos na hora. Imagem: Shoichi Iwashita
A área para crianças me chamou a atenção. Não só por esse avião para brincar como também… Imagem: Shoichi Iwashita
… por esse jogo de sofás de cores vivas inspirado no designer Verner Panton. Imagem: Shoichi Iwashita

O lounge da Turkish para voos internacionais no aeroporto de Istambul é tão bom que a gente até torce por uma conexão longa ou faz aquele esforço para chegar antes ao aeroporto. A começar pela belíssima arquitetura do aeroporto inaugurado em 2019, que “acoberta” a sala VIP, mas, principalmente, por conta da excelente qualidade da comida. Além das áreas para cafés e chás e bufês com lanches e doces, são várias estações onde os pratos são preparados na hora, por chefs, o que faz toda a diferença. 

Com uma área de mais de 5.600 metros quadrados e capacidade para 765 passageiros, você tem tudo o que você pode esperar de uma sala VIP: quartos individuais mediante reserva, duchas, salas escuras para descando, área para crianças, muitas estações de comidae e bebidas, mesas para comer, trabalhar ou apenas esperar… E não só os passageiros da executiva da Turkish, mas todos os passageiros voando na classe executiva das companhias aéreas que fazem parte da Star Alliance podem acessar a sala.

Só é importante saber que, apesar de lindo e novo, o aeroporto é muito mal sinalizado e não tem ninguém para dar informação, o que pode ser um problema em conexões curtas, ainda mais quando o seu portão é o B18A, o último dos últimos; o meu caso na hora de embarcar para o Cairo. 

TURKISH + ISTAMBUL, UMA EXCELENTE OPÇÃO DE STOPOVER

Os deslocamentos de avião para o Extremo Oriente são sempre muito cansativos por conta das muitas horas de voo, da necessidade de se fazer escala/conexão, da grande diferença de fuso que deixa nosso corpo destruído nos primeiros dias no destino. Por isso, pelo menos na ida, sempre faço stopover de alguns dias na cidade de conexão, seja Paris, Nova York ou Dubai, para descansar, aproveitar outra cidade fazendo da viagem um dois-em-um, e transitar pelo fuso horário de forma menos sofrida.  —

Mas, se nos últimos anos, a gente acabava voando com as companhias aéreas emirati por conta das ótimas aeronaves (e também pelos preços competitivos), preciso dizer que a Turkish Airlines, operando com o A350-900 entre São Paulo e Istambul sete vezes por semana e oferecendo um lounge incrível no aeroporto internacional de Istambul, é uma opção à altura. Até porque, Istambul é não só um destino fascinante em si, como também é muito mais genuíno e rico em história que Dubai ou Doha, mesmo para um stopover. 

LEIA TAMBÉM:

Classe executiva Air France: Como é e quanto custa a Business dos melhores voos diretos do Brasil para Paris (e, de lá, para o mundo)

Salmão: De iguaria gastronômica a comida tóxica, como um peixe com uma história linda se tornou uma grande ameaça para sua própria espécie

Machu Picchu de luxo: Como chegar, quanto custa, quando ir, onde ficar, como é, e a história fascinante das ruínas mais famosas (e recentes) do Peru

O aeroporto Charles de Gaulle em Paris ganha lounge lindo para todos os passageiros e YotelAir