Fondation Louis Vuitton: A arquitetura eclipsa a arte, mas é um belo passeio ao bosque

8 avenue du Mahatma Gandhi

dentro do Bois de Boulogne

no Jardin d'Acclimatation

16éme arrondissement

A navette da Fondation sai a cada 15 minutos (menos na terça, quando o museu fecha), da avenue de Friedland, pertinho do Arco do Triunfo e da saída do metrô, e custa € 1

Métro Les Sablons

a 15 minutos a pé da Fondation

(Linha Amarela - 1)

33 (0) 1 / 4069-9600

Para evitar chegar lá e não conseguir entrar (ou filas), principalmente, aos fins de semana, compre o seu bilhete online clicando aqui.

Preço aproximado por pessoa: R$ 55, considerando o ingresso para adulto € 14 + a tarifa da navette elétrica € 1, totalizando € 15

Aceita todos os cartões de crédito.

Segunda-feira:

Das 12h às 19h

Terça-feira:

Fecha

Quarta e quinta:

Das 12h às 19h

Sexta-feira:

Das 12h às 23h

Sábado e domingo:

Das 11h às 20h

Tem wi-fi

Desde 2014

Site, clique aqui

Instagram, clique aqui

A concorrência é fortíssima. A construção é tão escultural que você não conseguirá apreciar a arte na primeira visita; precisará voltar outras vezes quando talvez a arquitetura ficar mais invisível  na sua cabeça. Com a água caindo por uma escada-cascata em direção ao edifício-caravela projetado por Frank Gehry — que deixa as “escamas” de titânio que marcou seus últimos projetos culturais e agora adota velas de vidro (que “escondem” a estrutura) —, é como se a Fondation Louis Vuitton fosse um barco futurista eternamente navegando pelos jardins do maior parque da cidade, “pulmão” de Paris, antigo terrain  de caça dos reis franceses, o Bois de Boulogne.

Um pouco distante do centro da cidade e no meio de uma floresta urbana, a Fondation tem uma localização inusitada, e o chegar lá faz parte da experiência. A cada quinze minutos e custando € 1 (R$ 4), saem navettes elétricas (um miniônibus que não polui) da avenue de Friedland, em frente a uma das saídas da estação de metrô Charles de Gaulle-Étoile, do ladinho do Arco do Triunfo (se você quiser ir de metrô direto até a Fondation, a estação mais próxima, a Les Sablons, fica a uns 15 minutos a pé caminhando pelo parque).

A coleção, que pertence ao conglomerado de luxo Louis Vuitton Moët Hennessy, aka LVMH (com algumas obras da coleção particular do dono, o todo-poderoso Bernard Arnault), é formada por obras a partir dos anos 1960 até hoje e é apresentada através de uma exposição permanente e temporárias através de quatro linhas curatoriais: pop, contemplativa, expressionista e música/som. Diante da riqueza do grupo (com lucros que chegam a € 4 bilhões por ano) e da relação da marca-mãe Louis Vuitton com a arte contemporânea (alguém se lembra das coleções do Marc Jacobs com intervenções de Stephen Sprouse, Takashi Murakami, Yayoi Kusama?), nem preciso dizer que a coleção possui obras extremamente importantes de cada artista.

Tem obras de arte até meio invisíveis, tamanha a integração delas com a arquitetura, como é o caso da instalação Inside The Horizon, com 43 colunas triangulares do artista dinamarquês Olafur Eliasson, e as telas monocromáticas feitas para o belíssimo auditório pelo artista norte-americano Elsworth Kelly, lugar que já teve até show do Kraftwerk além de récitas de música clássica.
Para evitar filas, compre seu ingresso com antecedência (com dia e hora agendados), clicando aqui; não deixe de tomar uma flûte de Dom Pérignon (cuvée da Moët, maison de champagne que é parte da LVMH) no belo restaurante Frank; e aproveite os terraços no topo da Fondation para apreciar a vista do bosque e de tout-Paris.

fondation-louis-vuitton-paris-lvmh-bois-de-boulogne-1O logo da Louis Vuitton na entrada. Imagem: Shoichi Iwashita fondation-louis-vuitton-paris-lvmh-bois-de-boulogne-2A navette elétrica que sai da avenue de Friedland e que, por 1 euro, deixa na porta da Fondation Louis Vuitton. Imagem: Shoichi Iwashita
fondation-louis-vuitton-paris-lvmh-bois-de-boulogne-3O edifício de Frank Gehry, o mesmo que projetou o Guggenheim de Bilbao, parece flutuar sobre a água. Imagem: Shoichi Iwashita
fondation-louis-vuitton-paris-lvmh-bois-de-boulogne-4A escada-cascata que desce até o auditório. Imagem: Shoichi Iwashita
fondation-louis-vuitton-paris-lvmh-bois-de-boulogne-5Detalhe do teto com pessoas para ter noção da escala do edifício. Imagem: Shoichi Iwashita
fondation-louis-vuitton-paris-lvmh-bois-de-boulogne-6Obra de Nam June Paik, que é parte da coleção da LVMH. Imagem: Shoichi Iwashita
fondation-louis-vuitton-paris-lvmh-bois-de-boulogne-7A disposição dos terraços em vários níveis. Imagem: Shoichi Iwashita
fondation-louis-vuitton-paris-lvmh-bois-de-boulogne-8Uma das galerias. Imagem: Shoichi Iwashita
fondation-louis-vuitton-paris-lvmh-bois-de-boulogne-9O auditório, que fica no subsolo, com pinturas do artista norte-americano Elsworth Kelly. Imagem: Shoichi Iwashita
fondation-louis-vuitton-paris-lvmh-bois-de-boulogne-10A instalação de Olafur Eliasson que se funde com a arquitetura de Gehry, no subsolo da Fondation. Imagem: Stephen Shankland

VEJA MAIS


shoichi.simonde@gmail.com