Museu da República: Onde Getúlio se matou, é um dos único palácios preservados do Rio

Rua do Catete 153

esquina com a Rua Silveira Martins

em frente à saída do Metrô Catete

Catete

Metrô Catete

(Linha 1 – Amarela)

55 21 / 3253-5124

Tem visitas guiadas de segunda a sexta-feira.

Preço do ingresso: R$ 6. De graças às quartas e domingos.

Segunda-feira:

Fecha

Terça a sexta:

Das 10h às 16h30

Sábados e domingos:

Das 11h às 17h30

Feriados:

Das 11h às 17h30

O palácio foi construído em 1867, transformado em sede governo federal em 1897 e virou museu em 1960

Site, clique aqui

A  simplicidade do banheiro e quarto presidenciais em contraponto com a belíssima e bem preservada opulência da decoração — toda importada, da escada aos mármores — do Palácio do Catete chama a atenção. Foi no quarto singelo do terceiro andar que o presidente Getúlio Vargas — o décimo terceiro presidente a ocupar o palácio neoclássico famoso por suas sete águias de bronze no topo do prédio que foi sede do Governo Federal de 1897 a 1960 — se matou com um tiro no coração, vestido com o pijama listrado bordado com suas iniciais, hoje em exposição ainda com a mancha de sangue, e com direito à arma e a bala que ele usou para sair “da vida para entrar na História”.

Além do suicídio de Getúlio em 1954, muitos outros fatos importantes aconteceram neste palácio-urbano-com-a-porta-para-a-rua que hoje dá de frente para a estação de metrô do Catete: a morte do presidente Afonso Pena em 1909, a assinatura da declaração de guerra contra a Alemanha em 1917, a declaração de guerra contra o Eixo em 1942. Sem falar em todas as reuniões, festas e recepções que ocorreram em salões como o Salão Amarelo ou o Mourisco. Ao longo de 63 anos, dezesseis presidentes da República ocuparam seus salões.

Mas, muito infelizmente, o Palácio do Catete (Museu da República, inaugurado por Juscelino Kubitschek, desde a transferência da capital federal para Brasília em 1960), é o único edifício histórico da cidade do Rio de Janeiro que se preservou e se manteve fiel à sua história. Outros edifícios importantes como o Paço Imperial (residência dos governadores da Capitania do Rio de Janeiro no século 18), o Museu Nacional/Quinta da Boa Vista (residência dos imperadores do Brasil e de Portugal Dom João VI, Dom Pedro I e II) e o Museu do Primeiro Reinado/Solar da Marquesa de Santos ou sofrem com a descaracterização completa de seu passado ou de problemas de conservação por falta de recursos. Por isso, a visita a esse museu que conta a história da República brasileira é obrigatória.

museu-da-republica museu-da-republica-sala-mourisca museu-da-republica-salao-ministerial museu-da-republica-portao museu-da-republica-fachada

VEJA MAIS


shoichi.simonde@gmail.com