Enoteca Saint Vin Saint: Com décor bourgeois-bohème, o único restaurante sustentável 100% orgânico de São Paulo

Rua Professor Atílio Innocenti 811

na esquina com a ruazinha José Gonçalves Pereira

Itaim

Não tem metrô próxim

55 11 / 3864-0384

Preço aproximado por pessoa: R$ 240, considerando couvert R$ 16 + entrada R$ 45 + prato principal R$ 65 + sobremesa R$ 23 + taça de vinho R$ 38 + espresso R$ 6 + serviço 10% R$ 19 + estacionamento R$ 25 = R$ 237.

Não aceita cartões de crédito.

Só débito, cheque ou dinheiro.

Segunda a sexta:

Só jantar, das 19h à meia-noite

Sábado:

Brunch, das 11h às 16h

Jantar, das 20h à meia-noite

Domingo:

Fecha

80 lugares

Tem manobrista a R$ 25

Desde 2008

Site, clique aqui

Instagram, clique aqui

Toda vez que pergunto a restaurantes com discurso local-saudável-sustentável se todos os ingredientes do cardápio são orgânicos, as repostas são sempre cheias de reticências, um “é complicado…” ou “nem sempre, só quando a gente consegue…”  E atenção, pois mesmo restaurantes certificados com o selo “Orgânico” não precisam usar apenas ingredientes sem agrotóxicos para conseguir o selo. Mas a chef  e sommelière  Lis Cereja nos mostra que, apesar de dar muito mais trabalho, é possível sim, e faz da sua Enoteca Saint Vin Saint o único restaurante 100% orgânico, sustentável e zero lixo de São Paulo. E é tão coerente, tão redondo, que o conceito ultrapassa os pratos e abrange também os copos: sua carta de vinhos, com mais de 150 rótulos, é inteiramente composta por vinhos naturais, orgânicos e biodinâmicos produzidos por pequenos vinhateiros. Vinhos feitos com uvas orgânicas, que crescem em solos sem veneno, e produzidos sem a adição de inúmeros aditivos químicos que fazem com que a maioria dos vinhos hoje seja tão saudável — e artificial — quanto um saquinho de salgadinho industrializado. Na carta de vinhos, no entanto, o “local” da comida vira global, já que há garrafas de produtores das principais regiões vinícolas do mundo — muitos dos quais eles mesmo importam para venda —, com atenção especial aos produtores brasileiros.

Se os ingredientes não vêm de seu sítio, como os ovos das galinhas criadas soltas, o leite da sua cabra Maruska que é transformado em queijo, e diversos legumes e verduras — alguns deles não-convencionais — produzidos apenas para o restaurante, eles são crioulos (como os milhos), ancestrais (com a farinha que eles usam, de trigo espelta), absolutamente tudo é não-refinado-não-industrializado (até os azeites e manteigas), e vêm de pequenos produtores locais e agroecológicos, todos listados em uma lousa no salão, com pé-direito alto e decoração colorida e intimista, ao estilo bourgeois-bohème  (e como são apenas 15 mesas, é bem prudente reservar; a não ser que você não se importe em jantar no balcão do bar como já fiz algumas vezes). O menu tampouco é fixo já que o respeito às estações é outro pilar da Enoteca. As receitas são criadas a partir dos ingredientes disponíveis na época — com uma oferta cada vez maior de opções vegetarianase também é apresentada em uma lousa, essa ambulante, que o garçom traz à mesa para você ver (a Enoteca não abre para almoço, apenas jantar de segunda a sábado, com brunch  aos sábados das 11h às 16h). E se você for vegano ou celíaco, não tem problema, basta informar no ato da reserva e eles adaptam o menu para você.

Na boca, espere por sentir o verdadeiro sabor de cada ingrediente, em receitas que agradam cada vez mais (confesso que há uns anos, eu ia à enoteca mais por afinidade filosófica que por prazer gastronômico, mas isso vem mudando consideravelmente). O serviço de vinhos também é um destaque, como deveria ser um restaurante-enoteca. Além do conhecimento do sommelier  sobre os vinhos (aproveite para esclarecer dúvidas sobre técnicas, produtores, e aprender um pouco mais), ao pedir um vinho em taça, tinto ou branco, ele traz as garrafas disponíveis, os copos, e você pode degustar antes de decidir. Faz toda a diferença.

O Instagram da Lis Cereja também é uma rica fonte de informações sobre enologia e alimentação limpas, livres de veneno e sofrimento. {Clique aqui para acessar.}

LEIA TAMBÉM:

— Três restaurantes biô  em Paris – aqui, sinônimo de saudável, orgânico e sexy – para frequentar

— Etiqueta em restaurantes japoneses: O guia definitivo do shooyu

— Quanto tempo dura uma garrafa aberta de vinho tinto, branco, espumante? Pode ser mais do que você pensa

enoteca-saint-vin-saint-lis-cereja-itaim-restaurante-sao-paulo-sp-organicos-vinhos-naturais-biodinamicos-1200-1A configuração da Enoteca Saint Vin Saint é a de uma casa, com vários ambientes. Imagem: Shoichi Iwashita
enoteca-saint-vin-saint-lis-cereja-itaim-restaurante-sao-paulo-sp-organicos-vinhos-naturais-biodinamicos-1200-2No salão de entrada, com pé-direito alto, a casa já mostra sua vocação enológica. Mas não qualquer uma: aqui, só entra na carta vinhos orgânicos, biodinâmicos e naturais. Imagem: Shoichi Iwashita
enoteca-saint-vin-saint-lis-cereja-itaim-restaurante-sao-paulo-sp-organicos-vinhos-naturais-biodinamicos-1200-3Esse é um dos clássicos da Enoteca: um bombom de chocolate recheado de foie gras, com azeite e flor de sal. E, acreditem, é delicioso. E para os vegetarianos é servido um bombom recheado de berinjela defumada, que é delicioso igual (sempre vou na opção vegetariana agora). Imagem: Shoichi Iwashita
enoteca-saint-vin-saint-lis-cereja-itaim-restaurante-sao-paulo-sp-organicos-vinhos-naturais-biodinamicos-1200-4Uma explosão de cores: carpaccio  de vegetais com vinagrete de feijão moyashi  germinado. Como é bom saber que se está comendo alimentos livres de veneno e que respeitam a natureza. Imagem: Shoichi Iwashita
enoteca-saint-vin-saint-lis-cereja-itaim-restaurante-sao-paulo-sp-organicos-vinhos-naturais-biodinamicos-1200-5O nhoque da Enoteca está longe de ter a textura do nhoque tradicional: feito de batata doce, ele é mais sequinho,sem aquela “liga” do glúten; mas faz um belo par com o pesto de taioba colhida no sítio da Enoteca. E, apesar de parecer pouco na foto, o prato super sustenta. Imagem: Shoichi Iwashita
enoteca-saint-vin-saint-lis-cereja-itaim-restaurante-sao-paulo-sp-organicos-vinhos-naturais-biodinamicos-1200-6Outro ambiente da Enoteca Saint Vin Saint, no Itaim, em São Paulo. Imagem: Shoichi Iwashita
Arte-Banner-Instagram-Divulgacao-10

VEJA MAIS


shoichi.simonde@gmail.com